A Escravização Pelo Capital

A Escravização Pelo Capital

A escravização pelo capital financeiro

Quando João Xinfrim soube que haviam feito uma divida bilionária em dólares nos anos 70 para ele pagar agora, ele pensou consigo mesmo: Não importa, a dívida foi feita há muito tempo. Já se foram mais de três décadas. Só pode estar paga. Agora é botar o pé no acelerador e vencer a recessão, que é o que importa no momento, sobretudo quando acabar a pandemia.

Você está completamente enganado, João. A dívida externa ainda está encravada no coração da economia brasileira, disse Pedro Ferocidade. Virou dívida interna, pois está escondida pelos bancos  no chamado superávit primário. “E o que é superávit primário?”, perguntou Xinfrim. “P.q.p., homem, você não sabe de nada mesmo. Pergunte ao Belluzzo”.

E o Belluzzo sabe alguma coisa? “Belluzzo sabe tudo, é um grande economista brasileiro. Tudo o que ele ensina se resume numa coisa: O capital financeiro é que estrangula a economia e não deixa ela crescer. São os grandes bancos privados. Incrivelmente, também os bancos públicos vão no rastro. Praticam o mesmo tipo de política de juros e de empréstimos.”

Então já não era hora de acabar com isso?, comentou Xinfrim. Ah, disse Ferocidade, você acha que é fácil assim? Acabar como? Os bancos compram tudo. Compram Executivo, compram grande parte do Legislativo e influenciam no Judiciário. É grana demais meu amigo. Para derrubar esse poder só uma revolução. Mas tem que ser  revolução pacífica, senão perdemos. Em uma palavra, é a revolução proposta pelo Movimento Popular pela Justiça Social.

Como o dinheiro do pobre vira lucro do rico

Explique melhor essa história de superávit primário, disse João Xinfrim a Ferocidade. Você sabe que não sou bem da cabeça para entender essas coisas. “Vai entender logo”, disse Ferocidade. “Superávit primário é grande parte do dinheiro roubado do trabalhador em favor dos ricos. Isso se chama mais valia.” “Piorou. O que é mais valia, pois já esqueci essas coisas que ouvia no chão de fábrica, quando a gente aprendia o que é capitalismo?”

“Mais valia é o que Napoleão suga de você, como trabalhador: é a diferença entre o que ele ganha explorando seu trabalho e o salário miserável que você ganha. É isso que é chamado de sistema capitalista. Só que nosso sistema capitalista não para aí, por causa dos banqueiros. Eles abocanham parte crescente da mais valia sugada pelo patrão tomando uma porção dos próprios empresários. O sistema todo é um vírus, e não tem vacina contra ele, a não ser se a gente entrar para o Movimento Popular pela Justiça Social. Com esse vamos ter justiça.

– E os patrões, não fazem nada contra os banqueiros? “Não, são covardes. Eles preferem estrangular os trabalhadores embaixo a entrar em briga com os banqueiros em cima. Por isso não reclamam dos juros, e deixam os banqueiros a tirar  do povo o que o tal capital financeiro arranca deles. Assim, o dinheiro surrupiado dos pobres vai parar no caixa dos bancos, e os bancos pagam deus  e o diabo para manter esse esquema funcionando: empresários covardes, políticos e principalmente imprensa, todos comprados para segurar  os interesses dos bancos, isto é, os juros altos. E o fato é que, sem algum mecanismo para domar o capitalismo, isso não vai mudar nunca. Exceto com o Movimento Popular pela Justiça Social.

A porta de saída da escravização financeira

Você já falou mais de uma vez em Movimento Popular pela Justiça Social, disse João Xinfrim a Pedro Ferocidade. “O que é isso?”  É a grande irmandade popular dos trabalhadores para escapar da crise e da escravização dos bancos, explicou. Entrei para ela porque já não aguentava mais de enganação. Diziam que estávamos numa democracia, mas o fato é que a democracia defendia quase exclusivamente interesse dos ricos.

– Então a gente tem que acabar com a democracia?, perguntou Xinfrim. De jeito nenhum, disse Ferocidade. A gente tem que superá-la. Já durou muito tempo, mais de 200 anos. É a hora de completarmos a democracia com o socialismo verdadeiro. Em uma palavra, democracia social. Alguns países da Europa estiveram perto disso, mas foram sufocados pelo chamado neoliberalismo. Recuaram. Voltaram para trás, devido a manobras políticas dos ricos.

Xinfrim, naturalmente, nunca tinha ouvido falar naquilo. Ao contrário, diziam pra ele que o ideal de vida era o sistema americano, onde as pessoas ganhavam mais de acordo com a   disposição para competir  com ferocidade. “Que nem você?”, perguntou Xinfrim. “Não, foge diabo. Fiquei feroz justamente por ver tanta injustiça espalhada pelo mundo. Uns poucos ganhando bilhões e a maioria não ganhando quase nada”, explicou.

“E o que se deve fazer agora?”, provocou João. Pelo lado norte-americano nada a fazer: o sistema vai apodrecer aos poucos, exibindo grandes tragédias sociais fora da economia, como o uso abuso de armas, as matanças ocasionais em escolas, os ataques terroristas, tudo em nome liberalismo e do neoliberalismo. Nós teremos mais chances porque ainda não temos um sistema encravado. Com sorte, levaremos avante o Movimento Popular pela Justiça Social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *